sábado, 9 de janeiro de 2010

2007 - Viagem aos Dolomites - Parte II

Continuação da viagem...

Nota: Algumas fotos foram retiradas da internet.

14º Dia - Turim/La Cassa - 32.0 Km

Saímos do camping às 10.15 e fomos visitar os jardins de La Venaria Reale, que ficam à saída de Turim.

São jardins de um palácio real que estão no início de reconstrução, faltando ainda muito para ficar concluída a reposição de como eram em tempos passados. O palácio em si também se encontra em reconstrução e não é visitado.

Este conjunto arquitectural, urbanístico e territorial que forma a Venaria Reale, foi construído a partir de 1664 por Amadeo di Castellamonte e formava-se em três níveis de terraços e relevos com majestosas escadarias, fontes e esculturas.

Foram jardins à italiana até 1699. De 1699 até 1798, Victor Amedeo II, que transformou o pequeno ducado de Savoia num reino europeu, reorganizou os jardins em jardins à francesa, com geometrias regulares que projectavam ao infinito as prespectivas da residência real. Adquiriram assim a grandiosidade e estilo dos jardins de Versailles.

Entre 1798 e 1978 foi o periodo militar, em que os jardins foram destruídos durante a ocupação de Piemonte por Napoleão. A residência real transformou-se em caserna e o exterior transformou-se em praça de armas. Após 1978 a Direcção-Geral de Belas Artes interveio na salvaguarda do edifício. A partir de 1998, a reconstrução dos jardins é parte integrante do projecto de reabilitação de Venaria Reale e a intervenção é feita segundo os desenhos dos séc. XVII e XVIII.

Após a visita seguimos a estrada para La Cassa, onde ficámos no Camping La Mattodera, ao qual chegámos às 13.10. Quando entrámos começou a chover e ainda me molhei enquanto estive a ligar a electricidade. Enquanto almoçámos deixou de chover e até veio sol.
Depois do almoço fomos até à estrada para fazer um pouco de caminhada, mas começámos a ver o tempo novamente a querer mudar e voltámos para o camping, tendo no regresso começado a cair umas pingas grossas e adivinhava-se uma chuvada, que acabou mesmo por vir quando já estávamos no camping.
Ficámos na AC e aproveitámos para ver um filme. Quando este acabou, também a chuva tinha parado. Mais tarde, por volta das 23 horas, voltou novamente a chover e fez alguma trovoada.

15º Dia - La Cassa/Salbertrand - 121.1 Km

Saímos do camping às 10.15 e fomos até Alpignano, onde entrámos na SS24 e seguimos na direcção de Susa. Em Avigliana seguimos a orientação da Sacra di San Michele, que fomos visitar de seguida.

Esta abadia beneditina, empoleirada num pico rochoso a 962 metros de altitude, foi uma das mais célebres do norte de Itália e representa um dos maiores conjuntos arquitectónicos da época romana na Europa e surge entre os anos 983 e 987. Ela faz lembrar, pelo seu plano geral, a abadia do Mont-St.-Michel em França. É a partir do séc. XII que a basílica atinge a sua estrutura actual. Em 1994, graças a uma lei regional especial, ela foi reconhecida como Monumento símbolo de Piemonte.

Após a visita almoçámos no Restaurante Locanda della Sacra, que fica à entrada da rampa de acesso, junto do parque onde tínhamos estacionado a AC.
Depois do almoço seguimos pela SS24 para Susa e desta cidade para Salbertrand, onde ficámos no Camping Gran Bosco.

Chegámos às 16 horas e ficámos o resto da tarde no camping, o qual achámos muito bom.

16º Dia - Salbertrand/Laux - 97.7 Km

Saímos do camping às 09.45 e fomos pela SS24 na direcção de Oulx para ir até ao Parco Naturale del Gran Bosco, que é um parque rico pela sua flora, fauna e paisagem.
Nesta localidade virámos para Sauze d'Oulx, seguindo depois até Monfol por uma estrada que deixava de ser alcatroada para passar a ser de terra batida. Fomos nela até um parque de estacionamento, onde deixámos a AC. Esta estrada de terra batida tinha mais mais ou menos 700 metros e era muito má e estreita, o que me obrigou a fazer o percurso sempre em 1ª ou 2ª velocidade.
Depois de deixarmos a AC, seguimos a pé até Montagne Seu, que fica a 1770 metros de altitude e a 5200 metros de distância do local onde tínhamos deixado a AC, no coração da àrea protegida. Este caminho é de fácil acesso e demorámos cerca de 90 minutos.
Chegados lá acima fomos almoçar no Rifugio Daniele Arlaud, que é propriedade do parque, onde tivemos de esperar uma hora por um lugar e onde comemos a tradicional "Polenta", numa zona exterior debaixo de chapéus de sol.


Depois do almoço voltámos para baixo, tendo demorado mais ou menos o mesmo tempo e já na AC seguimos novamente para Oulx, tendo aqui virado para Cesana, sempre pela SS24 e depois pela SS23, passando por Sestriere e indo até Fenestrelle, onde andámos à procura de um camping que vinha mencionado no livro de campings.
Passámos por um que pensámos ser ele, mas que não tinha nome anunciado e não nos pareceu com muito bom aspecto, apesar de ser de três estrelas. Continuámos então em frente, por uma rua estreita que foi dar a uma outra mais larga, mas que estava cortada ao trânsito com uma barreira metálica atravessada.

Quando aí chegámos, verifiquei que não podia voltar para trás por não ter espaço para fazer a manobra, nem seguir em frente porque estava cortada. Resolvemos que o melhor seria retirar a barreira para facilitar a manobra de inversão de marcha. Foi nessa altura que um senhor, que estava a presenciar o que fazíamos, se aproximou e nos disse para seguirmos pela rua cortada e que um pouco à frente entrávamos na principal. Assim fizemos, depois de ter voltado a colocar a barreira no seu lugar. Verificámos entretanto que o motivo do corte era uma feira ou festa que se iria realizar naquele espaço.
Livres daquilo e já novamente na SS23, voltámos para trás até Pragelato, onde ao passar tínhamos visto um camping anunciado. Quando lá chegámos, entrámos e acabámos por voltar a sair, por também não nos ter agradado.
Seguimos então até Usseaux, onde havia um camping de duas estrelas, mas também não ficámos nele por ser caro e não ter condições a condizer com o preço.
Fomos um pouco mais para a frente, até Laux, onde havia uma àrea de ACs junto ao Lago di Laux e acabámos por ficar nela.

Chegámos por volta das 19 horas e pagámos apenas 6 euros, com direito a electricidade. Era uma àrea muito boa e toda relvada.

17º Dia - Laux/Turim - 93.5 Km

Hoje às 8 horas recebemos o telefonema da C. a dizer que já tínhamos mais uma neta, a R., que tinha nascido às 05.51 e que tinha corrido tudo bem. Nasceu com 3,610 Kg e media 53 cm.
Saímos da àrea às 09.30 e seguimos na direcção de Pinerolo. Pensávamos ir visitar o Forte de Fenestrelle

que ficava um pouco à frente da zona onde tínhamos dormido, mas como não consegui lugar para estacionar e também não queríamos estar a perder muito tempo, resolvemos seguir viagem.
Em Pinerolo fomo-nos abastecer ao supermercado Carrefour. Parámos depois mais à frente para almoçar e depois da barriguinha cheia, continuámos a viagem até Turim, seguindo sempre pela SS23.
Quando chegámos a esta cidade, fomos logo direito ao Ospedale Sant'Anna e estacionámos num parque ali próximo indo de seguida visitar a C. e a bebé.

Às 15 horas saímos e fomos para o Camping Villa Rey, onde chegámos por volta das 16 horas. Depois de nos instalarmos, voltámos a sair pelas 18 horas para ir à visita das 19. Chegámos ao hospital cerca das 19.30 e estivemos lá até às 20.30, hora a que regressámos ao camping para jantar.

18º e 19º Dia - Turim - 0 Km

Estivemos estes dois dias em Turim, no parque de campismo e íamos depois do almoço visitar a C. e a R..
À porta do quarto, como é costume em Itália, estava algo (não sei como se chama) colocado pelo papá, a dar as boas-vindas à recém nascida.
Depois desta visita, saíamos do hospital por volta das 15 horas e íamos dar uma volta até voltarmos novamente pelas 19 horas. Estávamos lá até cerca das 20.30, regressando depois ao camping.
Na tarde deste 2º dia, esteve quase sempre a chover e à noite ao regressar, chegámos todos molhados ao camping , pois não tínhamos levado chapéus.

20º Dia - Turim/Edolo - 328 Km

Por volta das 10 horas a C. deu sinal para o telemóvel e quando lhe liguei ela disse que iam ter alta e então começámos a arrumar as coisas para sair e continuar as nossas férias.
Saímos do camping às 11 horas e fomos pela estrada nacional SR11 para Milão, passando por Vercelli e Novara. Em Milão fartámo-nos de dar voltas até encontrar a saída para Bergamo. Quando conseguimos, seguimos pela estrada SS11 e SS525 até esta cidade, a partir da qual passámos a circular pela SS42 até Edolo. Depois de passar Bergamo, apanhámos quase sempre chuva, sendo nalguns sítios torrencial e com muitos relâmpagos. O dia tornou-se bastante escuro ainda muito cedo.
Chegámos a Edolo e procurámos o Camping Adamello, que vimos no livro, e fomos para lá, tendo chegado por volta das 20.30.
Ainda chovia quando nos instalámos. Edolo encontra-se a 700 metros de altitude, no território alpino e na extremidade setentrional da província de Brescia.

21º Dia - Edolo/Travolt - 210 Km

Durante toda esta noite esteve a chover e a fazer trovoada.
Saímos do camping às 09.45 e fomos pela SS42 até Dimaro. Passámos em Passo del Tonale, que fica a 1884 metros de altitude, entre a Lombardia e o Trentino e aí visitámos o Memorial, que é um monumento aos mortos da I Guerra Mundial.

Havia também lá uma feira onde se vendia, entre muitas outras coisas, principalmente roupas.

Depois desta curta paragem, continuámois até Dimaro, onde vrámos pela SS239, tendo passado por Madonna di Campiglio, que é uma importante estância de veraneio durante todo o ano, mas como estava a chover apenas parámos para almoçar no Albergo La Fontanella, mesmo à saída desta vila.

Depois do almoço continuámos a viagem , sempre debaixo de chuva e em Tione di Trento, virámos pela SS237 até Sarche.

Entrando aqui na SS45, passámos ao lado do Lago de Toblino

e continuámos até Trento. Trento é a capital da região de Trentino-Alto Ádige, que é uma região montanhosa situada nos Alpes. Outrora foi uma cidade céltica, mais tarde conquistada pelos romanos. Depois da I Guerra Mundial, em 1919, foi integrada na Itália. Muitos habitantes, ainda hoje falam o alemão.
Dirigimo-nos para o centro, onde fomos estacionar junto à Cattedrale di S. Vigilio que fomos visitar de seguida.

Esta Catedral foi construída nos séc. XII e XIII em estilo romano-lombardo. No subsolo da catedral existem os restos da antiga cripta, onde foi sepultado o mártir Vigilio. Foi nesta catedral que Maximiliano I de Habsburgo foi coroado Imperador.
Na Piazza del Duomo encontra-se também a Fontana del Nettuno (Fonte de Neptuno),

construída em 1767 pelo escultor Francesco Antonio Giongo e a Torre Cívica, do ano 1200.

Demos uma pequena volta pelas ruas adjacentes e regressámos à AC, tendo depois seguido à procura do camping Mezavia, o qual acabámos por saber que já não existia, após termos andado cerca de 40 Km serra acima e serra abaixo.
Acabámos por ficar no Camping Lido Lillà em Travolt, no Lago di Terlago, onde chegámos às 19.45.

22º Dia - Travolt/S. Martino di Castrozza - 111 Km

Saímos do camping às 10.15 e voltámos para Trento. Seguimos depois pela SS12 para Lavis, virando nesta localidade para o Val di Fiemme pela SS612. Passámos por Cembra e ao lado do Lago di Stramentizzo

e depois por Molina e Castello di Fiemme.
A partir daqui passámos a circular na SP232 e mais à frente parámos junto à Cascata di Cavalese onde andei um pouco a pé para filmar e tirar fotos.

Havia lá também um tipo de fonte muito característico desta região.

Toda esta estrada é nalguns sítios bastante estreita, mas vale bem a pena fazê-la pela sua paisagem.
Parámos mais à frente para almoçar, numa zona onde havia teleféricos para Cermis e uma ponte em madeira sobre o rio Avisio.

Depois do almoço continuámos pela mesma estrada até Predazzo, onde virámos para a SS50 e passámos em Bellamonte e Passo di Rolle,

tendo mais à frente, onde a estrada começa a ter muitas curvas, de seguir durante algum tempo atrás de umas vacas que andavam no meio da estrada, até que elas se resolveram a sair para os campos laterais.
Seguimos depois até S. Martino di Castrozza, que se encontra a 1467 metros de altitude, onde estacionámos e fomos visitar o centro, tendo entretanto começado a chover.
Resolvemos ir ficar num camping que havia nesta localidade, mas como vimos uma àrea de campers, fomos para lá. Foi assim que ficámos na Àrea Campers Tognola, onde pagámos 12 euros por 24 horas.

Era uma área vedada e com guarda e que tinha muito bom aspecto. Até lavagem para as ACs tinha. Chegámos às 17 horas e depois de nos instalarmos verificámos que havia uma carrinha que levava as pessoas para o centro. Também ao fundo, na estrada, se podia apanhar um autocarro gratuito até ao centro.
Como entretanto tinha deixado de chover e não era longe, resolvemos ir a pé.

Demos umas voltas e pelas 20 horas fomos jantar ao Restaurante do Hotel Centrale.

Quando saímos do restaurante depois de jantar, estava novamente a chover e quando nos dispunhamos a seguir a pé para a área de campers, vimos a carrinha e fomos então nela, livrando-nos assim de uma molha.
Para terminar, resta dizer que o dia hoje começou bom e só para o fim da tarde é que de vez em quando vinha chuva. Também devo dizer que tenho andado a notar um barulho na AC ao travar, não sei se são os travões ou rolamentos.

23º Dia - San Martino di Castrozza/Campitello di Fassa - 64.9 Km

Saímos da área de campres às 09.45 e fomos apanhar o autocarro gratuito que passava às 09.50. Descemos junto ao local de partida do teleférico para Passo della Rosetta.

Depois de comprar os bilhetes, apanhámos uma cabinovia que levava 8 pessoas e que subiu até Colverde a 2000 metros de altitude em apenas cinco minutos. Aqui, mudámos para uma funivia que levava 40 pessoas e que subiu em apenas quatro minutos até Passo della Rosetta, que ficava a um desnível de 670 metros.

Uma vez lá em cima, fomos a pé pela montanha que era de rocha, até ao Rifugio Rosetta e andámos ainda um pouco mais para a frente.


O dia estava lindo e havia sol, deixando-nos ter uma visão extraordinária, mas devido à altitude fazia um pouco de frio. Viemos novamente para Colverde na funivia e fomos almoçar no Rifugio Colverde, mas no interior que cá fora fazia frio.

Depois do almoço tirámos mais umas fotos para apanhar a localidade lá em baixo, apanhámos a cabinovia e fomos para a área de campers.

Quando lá chegámos, começou a chover e foi por pouco que não nos apanhou pelo caminho.
Saímos da área às 15 horas e voltámos pela SS50 novamente até Predazzo. Em Panevéggio parámos e fomos visitar uma pequena parte do Parco Regionale di Panevéggio, o qual se estende por cerca de 2700 hectares. Entrámos junto ao Centro de Visitantes e penetrámos na mata seguindo as setas indicativas do percurso, que se apresenta sem nenhuma dificuldade.

Fomos até uma área vedada por uma rede, que dá abrigo a Cervos Europeus (animais mamíferos parecidos com veados) em condições semi-naturais.

Depois de por lá andarmos um pouco, regressámos à AC e continuámos a viagem e em Predazzo virámos pela SS48 para Canazei, percorrendo o Val di Fassa e passando por Moena, onde havia muito trânsito.
Canazei é uma pequena cidade, com muito movimento e onde circulava muita gente pelas ruas.Dirigimo-nos para o camping marmolada, que ficava mesmo dentro da cidade, mas disseram-nos que estava cheio e para voltarmos pela manhã, depois das 9 horas.
Voltámos para trás, até Campitello di Fassa, que ficava um pouco antes e fomos para o Camping Miravalle, onde chegámos às 18.30.

O camping era bom, com casas de banho asseadas, apesar de só ter duas estrelas. Ficámos junto a um pequeno rio que tinha um desnível, o que fazia com que a água ao cair fizesse barulho, não nos tendo deixado dormir lá muito bem.

Em baixo apresento bilhetes de ingresso e cartões referentes a estes dias.
Continua...

8 comentários:

Teresa disse...

Olá João
Ao ver os seus percursos, fico sempre com várias dúvidas: como sabe para que parque se dirigir? Como sabe que tem lugar? Ou não tendo, dorme em qualquer lado? Não é perigoso?
Podem parecer perguntas estúpidas, mas nunca viajei de autocaravana, e faz-me confusão.

João Morgado disse...

Olá Teresa!
Não, não durmo em qualquer lado. Por norma vou sempre para parques de campismo. A escolha é feita pelo livro de campings e há sempre um, se não fôr mais à frente é mais atrás. Normalmente há sempre lugar, a não ser nas grandes cidades ou junto às praias,mas nesses casos é questão de chegar cedo.
Um abraço

Graça Pereira disse...

Que viagem fantástica...aproveitei a boleia e fui também... e a verdade é que me deliciei. Obrigado pela carona!
Um beijo
Graça

Vagamundos disse...

Como sempre mais um relato que nos dá vontade de "hit the road". As vistas da montanha são brutais!
Abraço

Mendes disse...

Olá Morgado!
Um a descrição muito didática de uma viagem (percurso) maravilhoso, e assim vamos acompanhando as aventura de vocês, que nos levam por localidades multo pitorescas e nos mantem sempre com um pé na estrada.
Abraços

José Caseiro /Mª Alice Silva disse...

Viva!

Aprecio imenso os seus relatos. Parabéns e que continue.
Mandei-lhe uma mensagem pessoal no campingcarportugal. Leu. Obrigado

Claudia Liechavicius disse...

Olá!
Adoro a Itália. Bela viagem!!!!
Deve ter sido uma experiência e tanto, não é mesmo???
Aguardo novos relatos.

Viagem Afora disse...

Olá João, a regiào dos Dolomites é realmente linda, queremos muito ir lá um dia. Suas fotos tbém estão Show !!!
Voltaremos sempre aqui !!
Somos novos blogueiros, viajamos por 5 meses e fizemos nosso blog .
Eperamos que vc goste.
www.viagemafora.blogspot.com
Feliz 2010 pra vc !! um abraço
Antonio & Ellen