sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

2007 - Viagem aos Dolomites - Parte III

Continuação da viagem...

Nota: Algumas imagens foram retiradas da internet.

24º Dia - Campitello di Fassa/Canazei - 4.1 Km

Saímos do camping à 09.45 e fomos para Canazei, onde desta vez tivemos lugar no Camping Marmolada, tendo chegado às 10 horas.
Canazei está situada a 1465 metros de altitude e na parte final do Val di Fassa. Ela está na confluência de várias estradas, que conduzem a três dos mais belos passos dolomíticos: o Saella, o Pardoi e o Fedaia.
Depois de nos instalarmos, saímos a pé, uma vez que o camping fica mesmo dentro da cidade e fomos até ao centro.

Fomos até à saída de Canazei, onde havia uma igreja e um Monumento aos mortos nas duas Guerras Mundiais.

Passámos a seguir pelo "Turismo" e trouxemos folhetos e mapas.

Voltámos depois ao camping para almoçar.

Depois do almoço estivemos a descansar e saímos mais tarde a pé pelas traseiras do camping, que davam para um pequeno ribeiro e fomos ao longo deste sair a um parque onde se encontrava muita gente, pois havia vários divertimentos e jogos e talvez também por ser domingo. No início deste parque havia uma conduta de água que descia em vários níveis, formando pequenas quedas de água.

Deste parque saímos para o centro, onde um grupo etnográfico desta zona alpina, estava a terminar a sua actuação e começava a desfilar pelas ruas.

Ficámos a assistir ao desfile, findo o qual fomos apanhar um mini-trem que deu uma volta pelos arredores. Terminado o passeio, fomos a pé por umas ruas mais interiores

que nos levaram até um largo, junto a uma igreja, onde havia uma festa e na qual estava a actuar num palco, um grupo de cantares. Também havia comida e estavam a confeccionar a tradicional "Polenta" em grandes caçarolas sobre fogo de lenha.

Estivemos lá um bocado sentados a assistir e depois viemos para o camping jantar.

25º Dia - Canazei - 0 Km

Ontem, mal nos tínhamos acabado de deitar, começou a chover e a fazer trovoada mas hoje já estava bom tempo e saímos do camping por volta das 10 horas.
Fomos apanhar o teleférico, que ficava quase defronte do camping e fomos numa cabinovia de oito pessoas, que nos levou até Pecol a 1926 metros de altitude, onde mudámos para uma funivia de 80 lugares, que nos transportou até Belvedere, a 2383 metros de altitude.

Aí chegados, fomos a pé pela montanha por um caminho de fácil acesso, até ao Rifugio Viel dal Pan, onde almoçámos e que ficava a 2432 metros de altitude.




Pelo caminho fui colhendo algumas fotos da flora existente.




Depois do almoço regressámos a Belvedere e apanhámos a funivia e a cabinovia para baixo e fomos para o camping, onde passámos o resto da tarde a ver um filme.
Pouco tempo depois de termos chegado, começou a chover mas passado algum tempo já fazia novamente sol.
Depois de jantar fomos até ao centro e estava a começar, na praça principal junto ao turismo, um espectáculo com um grupo etnográfico de Campitello. Ficámos lá sentados a assistir e no final viemos para o camping.

26º Dia - Canazei/Cortina d'Ampezzo - 173.1 Km

Saímos do camping às 9 horas e fomos pela SS641. Passámos ao lado do Lago di Fedaia, que é um lago artificial.

Fomos até Malga Ciapela, onde parámos para ir apanhar o teleférico para Marmolada.

Neste percurso, o tal barulho que eu vinha a ouvir na AC, aumentou e resolvi que tinha de ir mesmo à procura de uma oficina.
Quando parámos fui à bilheteira, mas a senhora que vendia os bilhetes avisou-nos que estava muito nevoeiro lá em cima e que não se via nada. Passados alguns minutos resolvemos subir e a senhora disse que o nevoeiro já estava a desaparecer.

Malga Ciapela está a 1449 metros de altitude e subimos numa funivia de 70 lugares até Serauta, que ficava a 2876 metros, tendo neste trajecto mudado de funivia.

Em Serauta voltámos a mudar e fomos noutra funivia até Punta Rocca a 3309 metros de altitude, onde andámos a tirar fotografias e a filmar para a posteridade.




Lá em cima estavam 8º C, havia alguma neve e não havia nevoeiro, pelo que pudemos admirar a paisagem.
Após alguns minutos voltámos a descer para Serauta, onde se encontra o Museu da I Grande Guerra em Marmolada, que visitámos um pouco à pressa, pois já estava a fechar.

Este museu guarda armas, equipamentos, fotografias e recortes de jornais da época. Aqui travaram-se batalhas entre as forças italianas e o exército do Império Austro-Hungaro.
Fomos depois almoçar no Rifugio Serauta, que ficava mesmo ao lado. Depois do almoço iniciámos a descida e já estava bastante nevoeiro e a chover.
Ao chegar cá abaixo, tivemos de estar à espera que abrandasse para irmos para a AC. Continuámos a viagem pela mesma estrada até Caprile, onde virámos pela SS203 até apanhar a SS48 para Cortina d'Ampezzo.
Chegados a esta cidade, fomos à procura de uma oficina da Fiat para resolver o problema. Perguntei a um polícia e ele indicou-me uma, mas como não dei com ela fui a uma bomba de gasolina e também me indicaram uma mas que não era da Fiat, reparavam todas as marcas. Mesmo assim fui à procura dela e quando lá cheguei, disseram-me que arranjavam mas tinham de mandar vir as pastilhas dos travões de Belluno e já não dava para arranjar hoje. Como ele me falou em Belluno, perguntei-lhe se lá havia oficina da Fiat e ele disse-me que havia na estrada para essa cidade, a cerca de 30 Km de Cortina.
Resolvemos então não ficar em Cortina e ir tentar solucionar o problema. Seguimos pela SS51 na direcção de Belluno e realmente a cerca de 30 Km havia uma Fiat bem sinalizada, mas que não tinha oficina e era apenas vendas. Fui lá perguntar onde poderia ir e indicaram-me uma oficina a uns 200 metros, mas que não era Fiat. Dirigi-me então para lá e ao chegar estava um senhor à porta a conversar com o senhor da oficina, que era da Ilha da Madeira, mais própriamente de Porto Santo, mas que vivia ali. O senhor da oficina também me disse que arranjava, mas tinha o mesmo problema do de Cortina, também tinha de mandar vir as pastilhas e como amanhã é feriado (15 de Agosto) só na 5ª feira é que poderia resolver o problema, mas indicou-me uma oficina da Fiat que ficava na estrada para Auronzo.
Após lhe ter agradecido, lá seguimos então e mais à frente virámos para Auronzo, continuando nessa estrada até encontrar a oficina que ficava em Cima Cogna e era mesmo da Fiat. Uma vez na oficina e depois de explicar o problema, disseram-me que era das pastilhas e lá mo resolveram com a respectiva substituição. Este foi um efeito de andar a subir e descer montanhas. Esperámos na sala de espera enquanto fizeram o trabalho e quando me entregaram a AC, como ainda não eram 18 horas, resolvemos voltar para Cortina d'Ampezzo, fazendo a viagem de regresso pelo mesmo caminho.
Já em Cortina, fomos para o Camping Rocchetta, onde chegámos às 19.30. Quando cheguei, o senhor da recepção ao ver que era português, disse-me que eu era o primeiro português a ficar lá.

27º Dia - Cortina d'Ampezzo e arredores - 70.5 Km

Cortina d'Ampezzo é uma estância de desportos de inverno e está situada a 1210 metros de altitude. Foi o lugar das Olimpíadas de Inverno de 1956.
Saímos do camping às 08.50, fomos pela estrada SS48 na direcção de Tre Croci e parámos junto ao Ristorante Rio Gere, a 1698 metros de altitude, onde se apanha o teleférico para o Monte Cristallo.

O Monte Cristallo é um dos mais altos, mais magestoso e mais famoso de todos os Dolomites.Depois de adquirir os bilhetes, subimos primeiro numas cadeiras "Seggiovia" até 2235 metros,onde se situava o Rifugio Son Forca. Aqui, descemos um pouco até apanhar um "Ovovia" de dois lugares (chamado assim porque realmente se assemelhava a um ovo), tendo de subir para ele em andamento lento, dado que ele não parava, o qual nos levou até 3000 metros de altitude, numa marcha que parecia nunca mais acabar, porque ele abanava com o vento e que terminou junto ao Rifugio Lorenzi. Fomos depois ainda um bocado a pé, por um caminho estreito, até ao Rifugio Lorenzi o qual se situa numa zona estratégica com uma vista panorâmica de 360º. Daqui partiam inumeros alpinistas, com cabos e correntes, para treparem até à ferrata Marino Bianchi, que é o ponto mais alto do Monte Cristallo.



Depois das habituais fotos e filmagens e de disfrutar a maravilhosa paisagem, voltámos ao ponto de partida através dos mesmos meios utilizados na subida.
Novamente na AC, seguimos pela mesma estrada até Misurina, tendo passado por Passo Tre Croci. Em Misurina, parámos junto ao Lago di Misurina e apanhámos um petit-trem e fomos dar a volta ao lago, cujo perímetro mede 2,6 Km.

Este lago é um lago natural e é o mais famoso dos Dolomites. Encontra-se a 1754 metros de altitude e tem uma profundidade de 5 metros. A característica climatérica à volta do lago é particularmente favorável a quem sofre de patologias respiratórias e é ali que se encontra o único centro de Itália para a cura da asma infantil. O grande edifício que se vê ao fundo do lago, é uma casa de saúde.
No final do passeio e novamente na AC, seguimos a nossa viagem tendo mais à frente virado para Tre Cime di Lavaredo, pela estrada panorâmica, em que tivemos de pagar 30 euros para poder continuar e que dava para 24 horas, podendo se quiséssemos dormir lá.

Chegados lá acima, estacionámos e fomos almoçar no Restaurante do Rifugio Auronzo, que ficava a 2320 metros de altitude e de onde se tinha uma vista soberba sobre os arredores.

Após o almoço fomos andar pela montanha e mais à frente passámos por uma capela dedicada à 1ª Guerra Mundial.

Continuámos a caminhada, indo até ao Rifugio Lavaredo a 2344 metros, por um caminho acessível e de muito leve inclinação.




Estivemos lá parados um pouco a descansar e regressámos depois à AC, pelo mesmo caminho. Já na AC, voltámos pela estrada que tinha sido paga, até entrar na outra cá em baixo e seguimos viagem para Cortina, onde estacionámos e fomos visitar o centro.

Vimos a Igreja Paroquial, mas para a visitar tivemos que aguardar alguns minutos, pois encontrava-se a decorrer uma missa.

Andámos neste intervalo de tempo a dar uma volta pelo centro até voltarmos à igreja. Depois da visita, fomos para o Camping Cortina que ficava defronte do Rocchetta, onde tínhamos ficado ontem, mas não ficámos nele porque nos disseram para entrar e dar uma volta a ver se tínhamos algum lugar, o que nos permitiu ver o camping e verificar que não prestava, pois estava tudo a monte em cima uns dos outros, sem qualquer separação. Acabámos por sair e ir para o Camping Dolomiti, que ficava logo a seguir e que apesar de ser só de uma estrela, era muito melhor do que aquele e até do que o de ontem. Chegámos às 19.45.

28º Dia - Cortina d'Ampezzo/Vicenza - 209.5 Km

Saímos do camping às 09.30 e fomos pela estrada SS51 até Longarone, tendo passado em Pieve di Cadora. Em Longarone passámos pelo centro e virámos pela SS251 para Forno di Zoldo, por estar indicada por uma placa castanha, mas passados alguns quilómetros voltámos para trás, por vermos que ainda ficava muito longe. Novamente em Longarone, continuámos pela SS51 que era a estrada que trazíamos, e depois pela SS50 para Belluno, onde parámos num grande parque de estacionamento.

Belluno foi fundada cerca de 220-200 a.C. pelos Etruscos, antes do Império Romano. Foi anexada à Itália em 1866, mas, durante a I Guerra Mundial foi tomada por tropas austríacas.
Nesta cidade nasceu em 17 de Outubro de 1912, Albino Luciani, que viria a ser Papa da Igreja Católica, tendo adoptado o nome papal de João Paulo I.
Deste parque de estacionamento tínhamos acesso ao centro, através de três lanços de escadas rolantes, que nos conduziam até à Piazza del Duomo. Quando chegámos lá acima, verificámos que havia mesmo ao cimo das escadas, um posto de turismo. Fomos lá pedir um mapa da cidade e começámos por visitar a Catedral de San Martino, que ficava logo ali naquela praça.

Esta Catedral, que é de 1517, foi desenhada por Tullio Lombardo e foi construída no local onde em 1471 um incêndio fortuito destruiu um templo do ano 548. Foi a partir daí que nasceu a actual catedral.
Na mesma praça localiza-se também o Palazzo dei Rettori, que é uma construção de 1491.

Fomos depois dar uma volta e passámos no Teatro Comunale indo sair à Piazza dei Martiri, na qual existe um grande jardim.

Atravessámos a seguir a Porta Dante que foi inaugurada na sua actual forma, em 15 de Maio de 1865, no fim do cinquentenário da dominação asburga, substituindo a Porta Reniera construída em 1669. Voltámos à Piazza del Duomo e regressámos ao estacionamento, onde almoçámos.
Depois do almoço fomos pagar o estacionamento e saímos pela estrada SS50. Passámos em Santa Giustina e Feltre e entrámos depois na SS47, indo por ela até Bassano di Grappa e daqui pela SS248 até Vicenza, onde fomos ficar no Camping Vicenza.

Chegámos por volta das 16 horas e tivemos alguma dificuldade em chegar lá, apesar de já lá termos ficado há dois anos. Ficámos o resto da tarde no camping.

29º Dia - Vicenza/Asti - 394.4 Km

Saímos do camping às 09.45 e fomos pela estrada SS11 para Brescia. Contornámos Verona pela Tangencial e depois de sairmos, voltámos a entrar na SS11 e até passarmos pelo sul do Lago di Garda, apanhámos um trânsito bastante intenso.

Parámos para almoçar já depois de Sirmione. Após o almoço continuámos a viagem até Brescia, onde andámos às voltas com a AC, mas nem sequer parámos pois junto ao centro andava tudo em obras.
Continuámos pela SS45 até Cremona e depois pela SP10 para Piacenza e a partir desta cidade fomos pela SS10 e SR10 para Voghera, tendo depois continuado até Tortona, de onde seguimos para Alessandria.
Daqui fomos até Asti, onde ficámos no Camping Umberto Cagni, tendo chegado às 18.30.

Para terminar o dia fomos jantar ao Restaurante do camping.

30º Dia - Asti/Turim - 84.5 Km

Não visitámos Asti, porque queríamos ir para Turim para as despedidas, mas ficámos com a promessa de ter que voltar.
Saímos do camping às 09.45 e fomos pela estrada SS10 até Villanova d'Asti, onde virámos para a SS29 indo por ela até Turim. Nesta cidade, fomos direito a casa da C., onde chegámos por volta das 11.30. Almoçámos e jantámos com eles e estivemos a brincar com a C. (neta). Por volta das 21 horas e mais alguns minutos, saímos e fomos para o Camping Villa Rey, pois tínhamos que entrar antes das 22 horas. Quando lá chegámos, o senhor da recepção reconheceu-me. Ficámos instalados do lado do palácio.

31º Dia - Turim/La Roche des Arnauds - 254.4 Km

Saímos do camping às 09.15 e voltámos a casa da C.. Fomos depois com eles ao IKEA, pois eles iam lá comprar umas coisas e no final fomos para casa almoçar.
Saímos de casa às 15 horas e fomos pela SS24 até Susa e um pouco à frente entrámos na auto-estrada A32. Saímos em Oulx e novamente na SS24 seguimos até à fronteira de França, passámos em Montgenèvre

e continuámos pela já habitual N94 até Gap. Parámos mais à frente de Gap, em La Roche des Arnauds, onde ficámos no Camping Le Parc des Serigons, tendo chegado às 19.45. Este camping é muito grande e bastante arborizado.

32º Dia - La Roche des Arnauds/Fraga - 821.3 Km

Saímos do camping às 08.45 e fomos na direcção de Orange pela D994 e D94. Um pouco antes de Orange virámos na direcção de Bolléne e apanhámos depois N86 até Nimes. Seguimos pela N113 para Montpellier e um pouco à frente, em Gigean, fomos almoçar no Restaurante L'Isatis.
Saímos do restaurante às 15 horas e fomos pela N9 por Béziers, Narbonne e Perpignan, onde entrámos na auto-estrada por haver muito trânsito e fomos até à fronteira de Le Perthus, por onde entrámos em Espanha.

Continuámos pela auto-estrada AP-7 até Barcelona, onde virámos pela A2 para Lérida, na qual passámos pelo Meridiano de Greenwich

e seguimos depois até Fraga, onde ficámos no Camping Fraga. Andámos que tempos à procura dele, apesar de já lá termos ficado por duas vezes, só que desta vez andava aquilo tudo em obras o que nos complicou um pouco.
Chegámos às 22 horas e depois de nos instalarmos fomos jantar ao Restaurante do camping. Como já era tarde a senhora arranjou-nos umas sandes de carne com queijo e foi isto o nosso jantar.

33º Dia - Fraga/Algueirão - 1138.5 Km

Quando íamos a sair do camping às 8 horas, ao chegar à saída vimos que o portão estava fechado a cadeado. Tivemos de voltar para trás e ir bater à porta da recepção. Com tudo isto perdemos 20 minutos, acabando por sair do camping às 08.20.
Seguimos pela A2 que terminava logo a seguir e passámos a circular pela NII. Parámos mais à frente para tomar o pequeno almoço, visto que não o tínhamos tomado no camping. Já mais aconchegados, lá seguimos viagem até Zaragoza. Em Zaragoza já se podem ver as obras para a Expo 2008, que se vai realizar naquela cidade e que fica mesmo próximo da A2.
Continuámos pela A2 na direcção de Madrid e cerca de 60 quilómetros antes de Madrid, entrámos na R-2 que é auto-estrada com portagem e saímos dela para a M-50, entrando mais adiante na R-5 para sair alguns quilómetros mais à frente para a A-5.
Logo à entrada da A-5, parámos para almoçar no Restaurante do Hotel el Labrador, em Navalcarnero. Apesar de ser um hotel e da sala apresentar algum luxo que assusta, o almoço não foi caro e foi muito bem servido.

Saímos de lá já passava das 15 horas e continuámos na A-5 até à fronteira portuguesa do Caia, a qual passámos às 18 horas (17 horas em Portugal).
Uma vez no nosso lindo país, seguimos pela auto-estrada até à Ponte 25 de Abril

e desta , pelo IC19 até ao Algueirão, onde chegámos pelas 20.20, tendo assim chegado ao fim da nossa viagem.


E S T A T Í S T I C A


_ Total de quilómetros: 6874
_ Total de gasóleo: 693.42 litros
_ Consumo médio aos 100 Km: 9.9844 litros
_ Despesa com gasóleo: 725.44 €
_ Despesa com portagens: 87.05 €
_ Total de noites em campings: 24
_ Total de noites em áreas de ACs: 2
_ Despesa com campings: 575.10 €
_ Despesa média com campings:
________________ Espanha: 16.40 €
________________ França: 18.05 €
________________ Itália: 25.12 €
_ Despesa média em áreas de ACs:
________________ Itália: 9.00 €

Obs.: 2 Pessoas e Autocaravana.

4 comentários:

Rosa Maria disse...

Caro João
Mais uma vez parabéns pelo post, este em especial está fantástico...
Muitas fotos (e uma mais linda do que a outra).
Um forte abraço.

Decarvalho disse...

Viva...
que sorte a reparaçao antes do FERMA AGSOTO, ...tudo esta totalemnte fechado em Italia a 15 de Agosto!
Parabens pela belissima foto de Cortina d'Ampezzo... terra natal dp falecido Mestre Santini, o Rei dos Gelados do Estoril (e Cascais).
Fico è espera do próximo relato!

Vagamundos disse...

Mais um fantástico relato e mais uma viagem que termina. Ficamos curiosos para saber qual será a proxima.
Abraço

Mendes disse...

Olá Morgado!

Não sei como compatibilizar a minha agenda com as tua viagens tão minusciosamente relatadas e que nos tornam viajantas em tempo integral.
Um grande abraço.