sábado, 21 de novembro de 2009

2005 - Viagem a França e Itália (Parte III)

22º Dia - Aosta/Torre Daniele - 258 Km

Saímos da àrea de ACs às 09.25 e fomos sempre pela SS26 até Turim, onde entrámos na tangencial até sair para Grugliasco, tendo chegado a casa da C. cerca do meio-dia.
Ao chegar já notámos alguma diferença na C. (neta), pois está a aproveitar muito bem as mamadas que faz. Almoçámos todos juntos e depois do almoço ficámos em casa, só tendo saído pelas 18 horas para dar um passeio com a bebé. Fomos até ao Parco Ruffini e passámos pela zona onde decorre a construção da futura casa da C..
Pelas 19.15 separámo-nos e seguimos na direcção de Rivoli, para irmos ficar no camping em Caselette, uma vez que já era tarde para irmos para mais longe, mas após várias tentativas infrutíferas e de termos perguntado, acabámos por entrar na tangencial e seguir pela auto-estrada para Torre Daniele, para o Camping Mombarone, onde já tínhamos estado na 2ª feira passada e por isso já sabermos onde era e não termos de perder tempo à procura dele. Chegámos às 21.15.

23º Dia - Torre Daniele/Alagna Valsesia - 173.1 Km

Saímos do camping às 09.45 e fomos pela SS26 até Ivrea, onde virámos pela SS338 até Biella. Em Biella seguimos pela SS144 até ao Santuário de Oropa, onde estacionámos.
Este é um Santuário mariano que está situado a 1200 metros de altitude, num maravilhoso vale das montanhas. Passou por diversas transformações até chegar às dimensões que apresenta hoje, passando de um lugar de passagem a um lugar de peregrinação religioso. Apresenta-se em três níveis com terraços, desde a entrada no fundo até à Basílica Nova no cimo. Ao chegar, deparamo-nos com um grande hall com edifícios laterais, onde funcionam restaurantes e outros serviços. Ao fundo deste hall, temos uma grande escadaria em granito,que dá acesso a uma monumental arcada, apoiada sobre colunas e que serve de passagem para um segundo patamar onde ao centro se encontra o belo Chafariz de Burnell, de forma octogonal, com várias bicas e umas conchas (tipo concha de sopa) penduradas, por onde as pessoas bebem a água que vai caindo.

Logo a seguir encontra-se a velha Basílica, onde se venera a Madona Negra. No interior encontra-se o sacrário que preserva a estátua da Madona Negra.
















Passando a Basílica, vamos dar a outra grande escadaria que nos conduz à Basílica Superior, cuja construção se iniciou em 1885, tendo os estudos para a sua edificação demorado mais de um século, executados por numerosos arquitectos franceses.

Foi consagrada em 1960. O seu interior é composto por duas zonas: uma octogonal com uma cúpula de mais de 80 metros suportada por colunas e tendo ao seu redor seis capelas laterais; e uma redonda, onde está o altar, com uma cúpula pequena. Esta Basílica pode levar 3000 fiéis. Toda a zona central defronte da Basílica, estava vedada e encontrava-se em obras de embelezamento.
Depois de visitar a Basílica, voltámos a descer e fomos almoçar num daqueles restaurantes que havia e comemos a típica "Polenta Concha" e um prato à base de carne, que era comida regional piemontense.
Depois do almoço demos mais uma volta e regressámos à AC, tomando o caminho novamente para Biella e daqui fomos pela SS142 até Romagnano, virando nesta localidade pela SS299 na direcção de Varallo e continuando depois até Alagna, onde ficámos no Camping Alagna.









Chegámos às 17.30 e na recepção do camping, a senhora ao ver que éramos portugueses, disse que éramos os primeiros portugueses a vir a este camping e perguntou-me se tinha euros portugueses, trocando então alguns poucos que a M.A. ainda tinha.
Depois de nos instalarmos, fomos dar um passeio a pé, indo até à zona onde se apanha o teleférico para os montes em redor.







Voltámos para o camping e por lá nos mantivemos.

24º Dia - Alagna Valsesia/Castelletto sopra Ticino - 96.6 Km

Saímos do camping às 09.15 e fomos a pé até ao teleférico, para irmos à montanha. Comprámos os bilhetes para Punta Indren, que fica no Monte Rosa e que era a subida mais alta, pois fica a 3260 metros de altitude. Juntamente com os bilhetes, adquirimos também a senha para almoçar no restaurante lá em cima. Apanhámos o teleférico às 09.45 e esta subida foi feita em três etapas, sendo a primeira em cabines pequenas de seis lugares e que demorou 13 minutos. A seguir andámos um pouco a pé e fomos para a segunda etapa, que foi feita em cadeirinhas de dois lugares e demorou 15 minutos. É claro que a M.A. não gostou nada assim que as viu, mas lá se encheu de coragem e subimos. No fim da 2ª etapa e antes de irmos para a 3ª, andámos um pouco pela montanha para descomprimir e estivemos sentados ao sol a descansar. A terceira etapa foi em cabines de 30 lugares e demorou cerca de 10 minutos.









Uma vez lá em cima, tirámos algumas fotografias e fiz as minhas filmagens e ao meio-dia fomos para o restaurante.
















Depois do almoço viemos para baixo pelos mesmos meios e fomos ao camping buscar a AC, tendo saído deste às 14.45. Fizemos a mesma estrada que tínhamos feito ontem, até Romagnano, onde virámos para Arona e daqui para Castelletto sopra Ticino, tendo ficado no Camping La Quercia, à beira do Lago Maggiore, no sul do mesmo e onde chegámos às 17.15.

25º Dia - Castelletto sopra Ticino/Isella di Civate - 191.4 Km

Saímos do camping às 09.15 e fomos direito a Varese, onde subimos até ao Santuário do Sacro Monte de Varese, que fica no Parco del Campo dei Fiori.

Sacro Monte, numa tradução livre, é um complexo de devoção localizado no alto de uma montanha, formado por várias capelas onde estão representadas com pinturas e esculturas, cenas da vida de Cristo, de Maria e dos Santos. Foram construídos no séc. XV.
O Sacro Monte de Varese tem 2 Km de extensão e 14 capelas, que foram divididas em grupos de 5 separadas por arcos, sendo que a 15ª não é exactamente uma capela, mas um santuário no final do percurso.
Estacionámos no alto e aí almoçámos, com uma linda vista. Depois do almoço descemos a pé até à primeira capela, que é dedicada à Anunciação e começámos a subir, passando por todas as outras até chegar à Basílica.





No átrio da Basílica ergue-se uma estátua do Papa Paulo VI.

Entrámos na Basílica, que achámos encantadora por dentro.















Depois da visita voltámos para a AC e descemos até Varese, seguindo depois pela SS233 para Ponte Tresa, entrando aqui na Suíça e continuando até Lugano, viajando sempre ao lado do Lago de Lugano.

Virámos a seguir para Gandria e voltámos mais à frente a entrar na Itália e seguimos pela SS340, que é uma estrada bastante estreita, continuando sempre ao lado do Lago até Porlezza, onde parámos para obter mais algumas fotografias.

Continuámos pela mesma estrada até Mennaggio, que já fica no Lago de Como e descemos sempre ao lado deste até Como, passando por Tremezzo, que é uma localidade bastante turística e onde se fazem passeios de barco no lago.

Em Como, que é uma grande cidade, seguimos pela SS342 e SS639 na direcção de Lecco, ficando um pouco antes, em Isella di Civate, no Camping Due Laghi, onde chegámos às 19.30.

26º Dia - Isella di Civate/Ceresole Reale - 309.7 Km

Saímos do camping às 09 horas e fomos pela SS583 até Lecco, onde virámos para Bellagio, que é uma comuna na região da Lombardia que fica na confluência do Lago de Lecco com o Lago de Como e é uma atracção turística desde o séc. XIX. Esta estrada, além de muito estreita é também muito bonita, pois mantém-se sempre ao lado do Lago de Lecco.
Quando chegámos a Bellagio, estacionámos e fomos visitar os Jardins da Vila Melzi, que apesar da publicidade não são nada de especial, limitando-se a ter espaços relvados e diversas àrvores de várias partes do mundo, tudo isto localizado à beira do lago.

A Vila Melzi foi construída de 1808 a 1810 pelo vice-presidente da República Italiana na era napoleónica, para sua residência de verão. É constituída pelo palácio, que tem um escadaria que vai até ao lago e pelos jardins. Apenas o jardim é visitado e este estende-se à beira do lago por aproximadamente 1Km.

Depois da visita, fomos dar uma volta a pé por Bellagio

e subimos algumas ruas que são em escadarias, pois Bellagio começa junto ao lago e estende-se por uma encosta acima.




























Visitámos a Basílica de S. Giacomo, que é do séc. XII e toda em pedra.

Regressámos depois à AC e retomámos a estrada SS583 agora em direcção a Como. Também esta estrada, que aliás é a mesma mas contornando o lago em sentido contrário, é estreita e bonita.
Parámos um pouco à frente para almoçar. Após o almoço retomámos a viagem e fomos até Como, seguindo depois para Milão. Em Milão, tomámos a direcção de Novara e daqui para Vercelli, seguindo depois pela R11 até Cigliano, onde virámos para Caluso, S.Giorgio, Castellamonte e a partir daqui pela estrada SS460 até Ceresole Reale, seguindo um pouco mais para a frente, até Villa, onde chegámos às 19.45 e ficámos no Camping Villa, que ficava a 1612 metros de altitude.

27º Dia - Ceresole Reale/Casellette - 134.7 Km

Ontem à noite e durante esta noite ainda caiu alguma chuva, mas quando nos levantámos não chovia, embora o sol também ainda não tivesse aparecido e na AC marcava 14º C.
Saímos do camping às 10 horas e fomos até ao Colle del Nivolet, que fica a 2612 metros de altitude, dentro da àrea protegida do Parco Nazionale del Gran Paradiso. O caminho é todo em estrada de montanha, o que significa que é estreita e toda em curvas.

Uma vez lá no alto avançámos mais um pouco, mas desta vez a descer, até ao Refúgio di Savoie, que fica a 2533 metros.

Parámos junto ao Lago de Nivolet, que fica em frente do refúgio e é onde a estrada também termina. A partir dali só a pé ou de bicicleta, mas como estava a chover não fomos dar nenhum passeio.

Estivemos lá parados durante alguns minutos e só eu saí para filmar e fotografar.
Regressámos pelo mesmo caminho e na descida para Ceresole Reale, parámos no Rifúgio Guido Muzio, que fica a 1667 metros de altitude e aí almoçámos.

Depois do almoço continuámos a descida até Cuorgnè e a partir daqui seguimos a indicação de Turim até entrar na tangencial e saindo dela para a SS24 na direcção de Susa, parando em Casellette no Camping Mill Park, onde chegámos às 16 horas.
Na descida do monte e até um pouco mais à frente de Cuorgnè, esteve sempre a chover e durante o resto da tarde, já depois de estarmos no camping, também voltou a chover.

28º Dia - Casellette/Turim - 32.6 Km

Saímos do camping às 09.10 e fomos pela SS24 até entrar na tangencial e saímos dela para Grugliasco, tendo chegado a casa da C. às 11 horas.
Almoçámos e estivemos em casa o resto do dia, pois amanhã vai começar o regresso a casa. A C. (neta) já tem 18 dias e já se nota alguma diferença. Está a ganhar bastante peso, pois está a comer (mamar) muito bem.

29º Dia - Turim/Avignon - 386.7 Km

Saímos de casa da C. às 10.30 e fomos pela auto-estrada A32 na direcção de Bardonecchia, saindo para a SS24 na zona de Oulx e seguindo para Montgenèvre. Para fazer os últimos 10 Km antes da fronteira com a França, demorámos uma hora e 50 minutos, devido às obras que estavam a decorrer para alargamento da estrada.

Passámos a fronteira e Montgenèvre e parámos para almoçar um pouco à frente de Briançon. Depois do almoço continuámos pela N94 até Orange, tendo passado pela fonte onde páro sempre para beber daquela água fresquinha e por Gap. Em Orange seguimos para Avignon, onde ficámos no Camping Municipal du Pont d'Avignon, tendo chegado às 21 horas.

30º Dia - Avgnon/Villaviciosa de Odón - 1098.3 Km

Saímos do camping às 9 horas e fomos até Nimes, seguindo depois na direcção de Montpellier e tendo em Lunel entrado na auto-estrada A9.
Parámos para almoçar na última àrea de descanso em território francês e seguimos depois até Le Perthus, tendo entrado em Espanha às 14 horas.

Continuámos na auto-estrada até Barcelona e depois pela A2 até Madrid, passando por Lérida e Zaragoza. Em Madrid seguimos pela M40 e saímos na saída 36 para procurar um camping que sabíamos que havia em Villaviciosa de Odón. Após alguns enganos, lá chegámos a esta localidade às 21.45 e ficámos no Camping Arco Iris.

Depois de nos instalarmos fomos jantar ao restaurante do camping.

31º Dia - Villaviciosa de Odón/Algueirão - 657 Km

Saímos do camping às 9 horas e fomos pela A5 para Badajoz, entrando em Portugal às 12 horas portuguesas, pela fronteira do Caia. Continuámos por auto-estrada até ela começar a ser paga e virámos depois para a N4 até Arraiolos, onde almoçámos no Restaurante O Parque.
Depois do almoço retomámos a N4 e fomos até ao Montijo e depois pela Ponte Vasco da Gama,

seguindo pela 2ª Circular e IC19 até ao Algueirão, onde chegámos às 16.30, tendo assim terminado a nossa viagem. Resta acrescentar que hoje este casalinho fez 33 anos de casado.

ESTATÍSTICA


Distância percorrida: 7721.9 Km
Total de gasóleo: 795.43 litros
Despesa em gasóleo: 810.45 Euros
Média de consumo aos 100 Km: 10.3 litros
Despesa com portagens: 142.50 Euros
Total de noites em campings: 21
Total de noites em àreas de ACs: 4
Despesa em campings: 381.53 Euros
Despesa média em campings:
Espanha: 16.20 €
França: 18.00 €
Itália: 19.23 €
Obs.: 2 pessoas e autocaravana.

10 comentários:

Papa Léguas disse...

O relato das viagens é muito apelativo.

Poderia vir a ser muito útil aos autocaravanistas o acesso a um documento sintese que permitisse seguir o percurso e onde constassem por ordem cronológica os locais visitados, os de estacionamento e pernoita, os monumentos em cada local e todas as coordenadas GPS possíveis, além de outras observações consideradas de relevo.

majv disse...

Parabéns por esta "Biblia", tão bem documentada.
Ainda hoje, e agora que está terminada, vou "roubá-la" e imprimir, junatndo-a a outras documentações que tão uteis poderão ser num futuro.
Obrigado pela partilha dessa viagem.
Manuel Vitorino

João Morgado disse...

Papa Léguas,
Obrigado pelo comentário e sugestão, que agradeço. Acontece, conforme já disse anteriormente, que estes relatos têm estado a ser transcritos a partir de um diário de viagens que faço, para minhas futuras memórias e que resolvi partilhar. Até 2009 vai ter de ser assim, pois não disponho de mais elementos do que aqueles que são relatados. A partir de 2010 poderei ter em atenção mais alguns pormenores que possam interessar a todos.
Um abraço

João Morgado disse...

Manuel,
Obrigado po comentário. Pode "roubar" à vontade que eu não digo nada a ninguém. Fica só entre nós.
Um abraço

Mendes disse...

Meu amigo Morgado!

Pela maneira como você relata as suas viagens, detalhes, referencias e informações, vamos precisar do seu livro de viagens para enfrentarmos o nosso Projeto-2010.
Parabéns meu amigo, e pela alegria e satisfação de termos os seus comentários em nossos Blog’s meu muito obrigado.

DeCarvalho disse...

Ora viva
Mais uma vez se confirma o bem que fez em divulgar os seus apontamentos de viagens antigas...
Dá para nos matar saudades, avivar memorias, ou para preparar novas viagens.
Partilhar informação é sempre gratificante para quem dá e para quem recebe. E com quantos mais pormenores melhor, ( o detalhe muitas vezes faz a diferença) e cada um sempre ao seu estilo próprio!
Bem Haja!
esta tudo belisssimo.....
Decarvalho

Paulo e Graça Doutel disse...

Grande viagem! Ficamos mesmo com apetite de visitar a maioria dos locais por onde passaram. Até agora só estivémos no lago de Como umas horas e é lindíssimo. Parabéns pela descrição pormenorizada dos lugares.

João Morgado disse...

Elmireno, De Carvalho, Paulo e Graça
Obrigado pelos vossos comentários.
Um araço a todos

Vagamundos disse...

Como sempre acontece, ao ler os teus relatos, dá vontade de partir. E já nos questionamos de qual será a proxima aventura...
Abraços

Anónimo disse...

foi demais, fiquei encantada, parece-me que estou nestes lugares tão lindos. Tenho mesmo é que agradecer por você se lembrar de nós, simples mortais que não temos condições de ir também.Que sejas muito abençoado por nos proporcionar momentos tão agradáveis. Quando viajar outra vez, não se esqueça de nós.IEDA